...

R$ 48,00

INFRA-ESTRUTURA URBANA

Comprar

Descrição

INTRODUÇÃO – 11
CAPITULO I - CONCEITOS GERAIS – 13
1.1 - CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE REDES INFRA-ESTRUTURA URBANA 1 – 13
1.1.1 - Classificação das redes segundo sua função – 13
1.1.2 - Classificação das redes segundo sua localização no espaço urbano – 17
1.1.3 - Classificação das redes segundo seu princípio de funcionamento – 20
1.2 - CUSTOS DOS SISTEMAS DE INFRA-ESTRUTURA URBANA – 21

CAPITULO II - HISTÓRIA DA INFRA-ESTRUTURA URBANA – 24
2.1 - INTRODUÇAO – 24
2.2 - A INFRA-ESTRUTURA URBANA NA ANTIGUIDADE – 30
2.3 - A INFRA-ESTRUTURA URBANA NO PERIODO MEDIEVAL, RENASCIMENTO E BARROCO – 37
2.4 - A INFRA-ESTRUTURA URBANA NA PRIMEIRA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – 44
2.5 - A INFRA-ESTRUTURA URBANA NA SEGUNDA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL – 52

CAPITULO III - REDE VIÁRIA – 57
3.1 - DESCRIÇÃO DAS VIAS URBANAS CONVENCIONAIS – 59
3.1.1 - Revestimento – 60
3.1.2 - Camadas inferiores – 61
3.1.3 - Conjunto meio fio - sarjeta – 61
3.2 - PASSEIOS E VIAS EXCLUSIVAS PARA PEDESTRES – 61
3.2.1 - Declividades das vias para pedestres – 63
3.2.2 - Custo de pavimentação para vias de pedestres – 63
3.3 - CARACTERISTICAS DOS PAVIMENTOS PARA TRÁFEGO DE AUTOMOTORES – 64
3.4 - DIFERENTES TIPOS DE PAVIMENTOS – 66
3.4.1 - Pavimentos flexíveis, conhecidos geralmente como asfálticos – 67
3.4.2 - Pavimentos semiflexíveis – 68
3.4.3 - Pavimentos rígidos – 69
3.5 - PEDESTRES E DESCAPACITADOS NA CONFIGURAÇÃO DA REDE VIÁRIA – 71
3.5.1 - Alargamento das rampas para acompanhar as faixas de pedestres – 71
3.5.2 - Acabamento de cor diferenciada e antiderrapante nas rampas de deficientes – 72
3.5.3 - Sobre-elevação de algumas faixas de pedestres – 72
3.5.4 - Troca de material de acabamento na faixa de pedestres – 73
3.5.5 - Colocação de placas de sinalização especiais em travessias de pedestres – 73
3.5.6 - Faixas com pisos especiais para deficientes visuais – 74
3.6 - INIBIDORES DE VELOCIDADE EM VIAS URBANAS – 75

CAPITULO IV - REDE DE DRENAGEM PLUVIAL – 80
4.1 - DESCRIÇÃO DO SISTEMA CONVENCIONAL – 81
4.1.1 - Meios fios – 82
4.1.2 - Sarjetas – 82
4.1.4 - Bocas-de-lobo – 84
4.1.5 - Condutos de ligação – 87
4.1.6 - Caixas de ligação – 88
4.1.7 - Poços de visita – 88
4.1.8 - Galerias – 89
4.2 - CUSTOS DAS REDES DE DRENAGEM – 90
4.2.1 - Tamanho da cidade – 91
4.2.2 - Declividade da bacia – 91
4.3 - NOVOS CONCEITOS DE DRENAGEM PLUVIAL – 91
4.3.1 - Absorção de água pelo subsolo – 92
4.3.2 - Pavimentação de pátios com pavimentos permeáveis – 93
4.3.3 - Pavimentos veiculares permeáveis – 94
4.3.4 - Bacias de estocagem – 96
4.3.5 - Integração dos parques das cidades com bacias de estocagem – 99
4.3.6 - Retenção de água de chuva dentro dos lotes – 102

CAPITULO V - REDE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA – 103
5.1 - CONSUMO E QUALIDADE DE ÁGUA POTÁVEL – 103
5.2 - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA – 103
5.2.1 - Captação – 104
5.2.2 - Adução – 105
5.2.3 - Recalque – 106
5.2.4 - Reservação – 107
5.2.5 - Tratamento – 107
5.2.6 - Rede de Distribuição – 108
5.3 - SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM RECICLAGEM – 110
5.4 - ABASTECIMENTO DE ÁGUA COM TRATAMENTO PARCIAL – 112

CAPITULO VI - REDE DE ESGOTO SANITÁRIO – 117
6.1 - DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE ESGOTOS URBANO – 119
6.1.1 - Rede coletora de esgotos – 119
6.1.2 - Ligações prediais – 121
6.1.3 - Poços de visita – 121
6.1.5 - Sifões invertidos – 122
6.1.6 - Estações elevatórias – 123
6.2 - ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS – 123
6.2.1 - Estações de tratamento de águas residuárias convencionais – 123
6.2.2 - Estações de tratamento alternativo - lagoas de estabilização – 124
6.2.3 - Exemplo de lagoa de oxidação no Lago Titicaca, Peru – 127
6.2.3 - Integração das lagoas de oxidação com parques urbanos – 130

CAPITULO VII - REDE DE ENERGIA ELÉTRICA – 132
7.1 - CARACTERISTICAS GERAIS DOS SISTEMAS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA – 132
7.2 - ÓRGÃOS CONSTITUINTES DO SISTEMA – 134
7.2.1 - Sistemas de Geração – 134
7.2.2 - Sistema de Transmissão – 135
7.2.3 - Estações transformadoras – 135
7.2.4 - Linhas de transmissão – 136

CAPITULO VIII - REDE DE GÁS COMBUSTIVEL – 147
8.1 - DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS CANALIZADO – 147
8.2 - FONTES DE FORNECIMENTO E USINAS DE PRODUÇÃO DE GÁS – 148
8.2.1 - Fontes de suprimento de gás natural – 148
8.2.2 - Usinas de produção de gás artificial – 148
8.3 - REDE DE DISTRIBUIÇÃO – 150
8.4 - CRITÉRIOS PARA DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL NAS CIDADES – 152

CAPITULO IX - INFRA-ESTRUTURA URBANA DE GRANDE PORTE – 154
9.1 – INTRODUÇAO – 154
9.2 - VIAS EXPRESSAS E RODOANEL – 154
9.3 - VIAS EXPRESSAS E DE TRAVESSIA – 156
9.4 - VIABILIZANDO UM NOVO SISTEMA VIÁRIO – 159
9.5 - AS VIAS ELEVADAS COMO REFERENCIAL URBANO – 161
9.6 - OBSERVAÇOES FINAIS – 165
9.7 - INDUTORES URBANOS: METRO E AEROPORTO – 166
9.7.1 - O metrô - SP – 167
9.7.2 - O aeroporto - SP – 172
9.7.3 - Vias de acesso – 175
9.7.4 - Investimentos – 175
9.7.5 - Conclusões e Recomendações – 175

CAPITULO X - MORFOLOGIA E INFRA-ESTRUTURA – 178
10.1 – GENERALIDADES – 178
10.2 - A IMPORTÂNCIA DA CONTINUIDADE DO TECIDO URBANO – 178
10.2.1 - Parques e praças e sua influência nos custos urbanos – 178
10.2.2 - Concentração da população em núcleos interligados com espaços verdes intermediários – 180
10.3 - A INFLUÊNCIA DO TRANSPORTE NA MORFOLOGIA URBANA DA ERA INDUSTRIAL – 182
10.3.1 - As cidades radiais – 185
10.3.2 - As cidades lineares – 186
10.4 - TENDÊNCIAS MORFOLÓGICAS DA REDE VIÁRIA NO TERCEIRO MUNDO – 194
10.4.1 - Tendências das redes viárias urbanas no terceiro mundo – 194
10.4.2 - Rede viária arterial – 195
10.4.3 - Densificação progressiva em cidades do terceiro mundo – 197
10.4.4 - Uso alternativo das vias pela população de baixa renda – 200
10.5 - CONSIDERAÇÓES FINAIS – 203
BIBLIOGRAFIA - 205

Autores: Juan L. Mascaro e Mário Yashinaga
Ano: 2005
Número de Páginas: 207
Tamanho: 25 X 17 cm
Editora: Masquatro
Acabamento: Brochura
ISBN: 85-902663-3-8


CNPJ: 96.631.353/0001-69 - Email: pldlivros@uol.com.br - Fone: (19) 3421 7436 - Fone: 3423 3961 - Piracicaba/SP

Política de Privacidade. ©2008, Revendas de Livros Técnicos. Todos os direitos reservados