IMPORTADOS
· Diversos
LIVROS TÉCNICOS
· Administração
· Agronomia
· Biologia - Ecologia
· Direito
· Diversos
· Engenharia Ambiental
· Engenharia Civil
· Engenharia de Alimentos
· Engenharia Florestal
· Entomologia
· Estatística
· Fisiologia Vegetal
· Fitopatologia
· Geologia
· Geoprocessamento
· Irrigação - Hidráulica
· Medicina Veterinária
· Nutrição
· Química
· Técnicas de Pesquisa - Estudos
· Zootecnia
 




SUBSÍDIOS AGRÍCOLAS: regulação internacional
R$159,50


  LIVROS TÉCNICOS >>> Agronomia
 
PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS: fungicidas, inseticidas, acaricidas e herbicidas
 
PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS: fungicidas, inseticidas, acaricidas e herbicidas     
  
Por: R$100,00 
 
 

   
   
   

Clique na imagem para ampliá-la
Descrição
Trata-se de um livro totalmente atualizado com 15 capítulos escrito por professores renomados em suas áreas de atuação (Marcelo Coutinho Picanço, Antonio Alberto da Silva, Lino Ferreira, Francisco Affonso Ferreira, Laércio Zambolim e demais autores) na área dos defensivos agrícolas (fungicidas, inseticidas, acaricidas, herbicidas e tecnologia de aplicação). O livro enfatiza os principais produtos fitossanitarios, os mecanismos de ação, translocação de produtos na planta, formulação, alvos biológicos, efeito no meio ambiente, recomendações para as principais doenças, pragas e plantas daninhas, como evitar o surgimento de resistência das pragas, patógenos e plantas daninhas (manejo da resistencia). Esta obra é destinada a professores das Ciências Agrárias, Engenheiros Agrônomos, Florestais, Agrícolas, Estudantes de Graduação e Pós-Graduação, Tecnicos em Agropecuária, Produtores e extencionistas.

CAPÍTULO 1 - Controle químico versus sustentabilidade na agricultura: o exemplo do huanglongbing dos citros – 1
Resumo – 1
Summary – 2
Introdução – 3
Sistemas – 4
Ecossistema e Agroecossistema – 6
Sistemas Estáveis Versus Sistemas Sustentáveis – 9
Agricultura Sustentável – 10
O Controle de Doenças na Agricultura Sustentável – 13
O Huanglongbing dos Citros – 15
Sintomatologia – 16
Etiologia – 18
Disseminação – 20
Distribuição no Brasil – 21
Epidemiologia – 22
Controle – 22

CAPÍTULO 2 - Efeito do clima na eficiência dos fungicidas empregados no manejo de doenças de plantas – 27
Introdução – 27
Fatores Climáticos que Influenciam a Eficiência de Fungicidas da Parte Aérea – 28
Luz – 28
Temperatura, umidade relativa do ar e vento – 29
Controle da deriva na aviação agrícola – 43
Efeito conjunto de vários fatores: estudos de caso – 46
Efeito da Chuva e da Água de Irrigação na Eficiência de Pulverização – 49
Fatores Climáticos que Influenciam a Eficiência de Fungicidas e Fumigantes do Solo – 61
Temperatura – 62
Umidade – 63
Potencial Impacto das Mudanças Climáticas no Controle Químico de Doenças de Plantas – 65
Considerações Finais – 68
Referências – 70

CAPÍTULO 3 - O essencial dos fungicidas empregados no controle de doenças - parte básica – 77
Introdução – 77
Descoberta e desenvolvimento de um fungicida – 93
Fungicidas – 95
Evolução dos fungicidas – 100
Formulações de fungicidas – 115
Componentes inertes de uma formulação – 123
Referências – 145

CAPÍTULO 4 - O essencial dos fungicidas empregados no controle de doenças - parte aplicada – 149
Fatores que Influenciam o Desempenho dos Fungicidas no Campo – 149
Fatores físicos – 149
Fatores químicos – 153
Referências – 183

CAPÍTULO 5 - Penetração e translocação de fungicidas sistêmicos nos tecidos das plantas – 187
Introdução – 187
Significado de um Composto Sistêmico – 188
Vias de Penetração de Fungicidas Sistêmicos – 189
Destinos dos Fungicidas nas Plantas – 190
Folhas – 190
Caule – 196
Raiz – 197
Semente – 201
Movimento Dentro da Planta – 203
Superfície dos vegetais – 206
Depósitos epicuticulares – 207
Cutícula – 208
Estômatos – 208
Pêlos – 209
Referências – 211

CAPÍTULO 6 - Resistência de fungos a fungicidas – 213
Causas de Insucesso no Controle Químico de Doenças de Plantas – 213
Conceito de Resistência – 219
Como a resistência surge em condições de campo – 222
Mecanismos de resistência de fungos a fungicidas – 223
Pressão de seleção – 227
Manejo da resistência – 244
Reduzir a freqüência de aplicação – 254
Mecanismos de resistência de fungos a fungicidas – 254
Referências – 256

CAPÍTULO 7 - Tipos de fungicidas empregados no controle de doenças de plantas – 263
I - Fungicidas de Contato – 263
II - Fungicidas Protetores ou Residuais – 264
III - Fungicidas Mesostêmicos – 292
IV - Fungicidas Sistêmicos – 301
Mecanismos Bioquímicos de Ação dos Fungicidas (Resumo) – 341
Referências – 347

CAPÍTULO 8 - Mecanismos de ação de herbicidas – 349
Herbicidas Auxínicos ou Mimetizadores de Auxina – 350
Caracterização de Alguns Herbicidas Auxínicos – 352
2,4-D – 352
Picloram – 353
Herbicidas Inibidores do Fotossistema I na Fotossíntese – 353
Herbicidas Inibidores do Fotossistema II na Fotossíntese – 355
Caracterização de Herbicidas Inibidores do Fotossistema II na Fotossíntese – 359
Atrazine – 359
Tebuthiuron – 359
Herbicidas Inibidores da PPO ou PROTOX – 360
Caracterização de Herbicidas Inibidores da PPO ou PROTOX – 363
Fomesafen – 363
Oxyfluorfen – 364
Herbicidas Inibidores do Arranjo dos Microtúbulos na Mitose – 365
Características de Cloroacetamidas – 367
Alachlor – 367
S-metolachlor – 368
Herbicidas Inibidores da Acetolactato Sintase (ALS) – 368
Alguns Herbicidas Inibidores da ALS – 370
Nicosulfuron – 370
Imazaquin – 370
Imazethapyr – 370
Pyrithiobac-sodium – 371
Herbicidas Inibidores da EPSPs – 371
Principal Representante deste Grupo – 372
Glyphosate – 372
Herbicidas Inibidores da Glutamina Sintetase (GS) – 372
Único Representante Desse Grupo: Glufosinato de Amônio – 373
Herbicidas Inibidores da ACCase – 374
Caracterização de Herbicidas Inibidores da ACCase – 375
Fluazifop-p-butyl – 375
Clethodim – 375
Herbicidas Inibidores da Síntese de Lipídeos (Que não Inibem a ACCase) – 376
Herbicidas Inibidores da Síntese de Carotenóides (Despigmentadores) – 377
Principais Características dos Herbicidas Clomazone, Mesotrione e Isoxaflutole – 379
Herbicidas Inibidores da Fosforilação Oxidativa (Organoarseniacais) – 380
Referências – 380

CAPÍTULO 9 - Dinâmica de herbicidas no solo – 385
Introdução – 385
Sorção de Herbicidas – 386
Mecanismos de sorção de herbicidas – 394
Estimativas de sorção – 396
Dessorção – 401
Lixiviação – 404
Decomposição – 407
Degradação química – 411
Degradação biológica ou biodegradação – 412
Fotodecomposição ou fotólise – 414
Considerações Finais – 416
Referências – 416

CAPÍTULO 10 - Resistência de plantas daninhas a herbicidas – 425
Introdução – 425
Mecanismos que Conferem Resistência – 428
Alteração do local de ação – 428
Metabolização – 431
Compartimentalização – 431
Absorção e translocação – 431
Sensibilidade, tolerância e resistência – 431
Resistência Cruzada – 432
Resistência Múltipla – 433
Evolução da Resistência – 434
Fatores que Favorecem o Surgimento da Resistência – 440
Pressão de seleção – 440
Variabilidade genética – 440
Diagnóstico da Resistência em Campo – 441
Como Confirmar a Resistência – 442
Como Evitar a Resistência – 443
Manejo da Resistência a Herbicidas – 444
Características da Resistência por Grupos – 446
Herbicidas – 446
Auxinas – 446
Bipiridílios – 447
Derivados da glicina – 447
Dinitroanilinas – 449
Inibidores de ACCase – 449
Inibidores de ALS – 450
Triazinas – 452
Uréias/amidas – 453
Seleção de Biótipos Resistentes por Diferentes Mecanismos de Ação Herbicida – 453
A Resistência de Plantas Daninhas no Brasil – 455
Resistência do Azevém (Lolium multiflorum) ao Glyphosate – 457
Resistência da Buva (Conyza bonariensis e Conyza canadensis) ao Glyphosate – 464
Culturas Transgênicas e Plantas Daninhas Resistentes a Herbicidas – 475
Culturas transgênicas – 475
Plantas Daninhas Resistentes em Culturas Transgênicas – 480
Comentários Finais – 482
Referências – 482

CAPÍTULO 11 - Características dos principais grupos de inseticidas e acaricidas – 489
Introdução – 489
Organoclorados – 490
Características gerais – 490
Grupos de inseticidas organoclorados – 490
Fosforados ou Organofosforados – 493
Características gerais – 493
Carbamatos – 495
Características gerais – 495
Estrutura geral – 496
Diamida do Ácido Fitálico – 497
Características gerais – 497
Piretróides – 498
Características gerais – 498
Estrutura geral – 499
Neonicotinóides – 500
Características gerais – 501
Organossulfurados – 501
Organoestânicos – 502
Formamidinas – 502
Nereistoxina – 502
Oxadiazinas – 503
Fenilpirazóis – 503
Características gerais – 504
Sulfonamidas Fluorinadas – 504
Clorfenapir – 504
Tiouréias – 504
Pirimidinas Azometídeo – 505
Ácidos Tetrônicos Espirocíclicos – 505
Juvenóides – 505
Bisacilhidrazinas (Diacilhidrazinas) – 505
Aciluréias – 506
Antralínico diamida – 506
Acetaldeído – 506
Características gerais – 506
Sinergistas – 507
Naturais – 509
Inorgânicos – 513
Referências – 514

CAPÍTULO 12 - Aplicação, absorção, translocação e metabolismos de inseticidas e acaricidas na planta – 519
Introdução – 519
Formas de Aplicação de Inseticidas e Acaricidas – 519
a) Aplicação via solo – 520
b) Tratamento de sementes – 520
c) Pulverização – 521
d) Pincelamento – 522
e) Aplicação em galerias (fumigantes) – 522
f) Injeção direta na planta – 522
Deposição e Penetração de Inseticidas e Acaricidas em Plantas – 523
a) Temperatura – 523
b) Umidade relativa – 524
c) Vento – 525
d) Luz – 525
Características anatômicas da planta que influenciam a deposição e penetração de inseticidas e acaricidas – 526
Translocação e Mobilidade dos Inseticidas e Acaricidas no Sistema Vascular e Tecido das Plantas – 528
Translocação via xilema e floema – 528
Translocação via xilema – 528
Translocação no floema – 530
Metabolização dos Inseticidas e Acaricidas pelas Plantas – 530
Efeitos de Inseticidas e Acaricidas sobre a Planta – 534
Referências – 537

CAPÍTULO 13 - Inseticidas, acaricidas e moluscicidas no manejo integrado de pragas – 541
Introdução – 541
Momento Adequado de Realização da Aplicação do Inseticida, Acaricida ou Moluscicida – 542
Critérios para Seleção de Inseticidas, Acaricidas e Moluscicidas que irão Compor Programas de MIP – 543
Registro do pesticida – 543
Período de carência – 543
Período de reentrada de pessoas na cultura após a aplicação de pesticida – 544
Impacto no ambiente – 544
Eficácia – 545
Dose utilizada – 545
Tecnologia de aplicação – 545
Elementos climáticos – 546
Estádio da praga e local de ataque – 548
Rapidez de ação – 548
Seletividade em favor de inimigos naturais – 549
Persistência – 550
Praga-alvo – 552
Pragas de solo – 552
Causadores de mortalidade de plântulas – 555
Broqueadores de caule – 556
Desfolhadores – 556
Minadores de folhas – 559
Succionadores de seiva ou células na parte aérea da planta – 559
Broqueadores de frutos – 563
Manejo da resistência de pragas a inseticidas – 565
Formas de Aplicação de Pesticidas – 566
Referências – 570

CAPÍTULO 14 - Impacto de inseticidas e acaricidas sobre organismos não-alvo – 575
Introdução – 575
Efeito dos Inseticidas e Acaricidas sobre Organismos Não-alvo – 576
Efeitos negativos de acaricidas e inseticidas sobre organismos não-alvo – 576
Tipos de impactos de inseticidas e acaricidas sobre organismos não-alvo – 577
Efeitos positivos de acaricidas e inseticidas sobre organismos não-alvo – 584
Principais Organismos Não-alvo que podem sofrer o Impacto de Acaricidas e Inseticidas – 585
Impacto de acaricidas e inseticidas sobre inimigos naturais – 585
Impacto de acaricidas e inseticidas sobre polinizadores – 589
Impacto de acaricidas e inseticidas sobre peixes – 590
Impacto de acaricidas e inseticidas sobre mamíferos – 591
Impacto de acaricidas e inseticidas sobre aves – 593
Impacto de acaricidas e inseticidas sobre répteis e anfíbios – 595
Impacto de acaricidas e inseticidas sobre espécies detritívoras – 596
Fitófagos não-praga – 597
Conseqüências do Impacto Negativo de Inseticidas sobre Organismos Não-alvo – 597
Erupção de pragas – 597
Ressurgência de pragas – 599
Quebra das cadeias alimentares – 599
Referências – 604

CAPÍTULO 15 - Tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários em pequenas propriedades e regiões montanhosas – 607
Introdução – 607
Considerações Gerais da Aplicação de Produtos Fitossanitários – 609
Deriva – 609
Condições climáticas – 611
Equipamentos e Acessórios para Aplicação de Produtos Fitossanitários – 613
Pontas de pulverização – 613
Vazão – 614
Perfil de distribuição – 615
Tamanho de gotas, cobertura do alvo e densidade de gotas – 617
Tipos de jato – 621
Reguladores de pressão e manômetros – 627
Balizamento – 629
Equipamentos de Pulverização – 630
Pulverizador costal – 630
Pulverizadores estacionários – 632
Pulverizador acoplado sobre rodas (ciclojet, carroçajet) – 634
Pulverizador ”Burrojet“ – 636
Pulverizador de barra acoplado ao trator – 637
Turboatomizadores – 638
Turboatomizador tratorizado – 639
Turboatomizador costal – 641
Regulagem e Calibração de Pulverizadores – 642
Calibração de pulverizador costal – 643
Calibração de pulverizador de barras tratorizado – 646
Calibração de turbopulverizador – 648
Turbo pulverizador tratorizado – 648
Turbopulverizador costal – 649
Conclusão – 649
Referências – 649

Editores: Laércio Zambolim, Marcelo Coutinho Picanço, Antônio Alberto da Silva, Lino Roberto Ferreira, Francisco Affonso Ferreira e Waldir Cintra de Jesus Junior
Ano: 2008
Número de Páginas: 652
Tamanho: 16 x 22 cm
Acabamento: Brochura
ISBN: 978-85-60027-24-8
Prazo de entrega
Prazo de entrega: Sedex de 03 a 05 dias úteis e PAC de 05 a 15 dias úteis
Indique este produto
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome (para):
E-mail(para):
Comentários:
 
Voltar
vazio

MINERAIS E VITAMINAS PARA BOVINOS, OVINOS E CAPRINOS
R$50,00
CACTOS E OUTRAS SUCULENTAS PARA DECORAÇÃO
R$80,00
SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS - 5ª EDIÇÃO REVISTA E AMPLIADA
R$55,00
ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 3ª Edição
R$95,00

Ver Todas as Novidades
——————————————————————————————

CNPJ: 96.631.353/0001-69 - Email: pldlivros@uol.com.br - Fone/Fax (19) 3421 7436 - Fone: 3423 3961 - Piracicaba/SP

Formas de Pagamento
—————————————————————————————
Política de Privacidade. ©2008, Revendas de Livros Técnicos. Todos os direitos reservados