IMPORTADOS
· Diversos
LIVROS TÉCNICOS
· Administração
· Agronomia
· Biologia - Ecologia
· Direito
· Diversos
· Engenharia Ambiental
· Engenharia Civil
· Engenharia de Alimentos
· Engenharia Florestal
· Entomologia
· Estatística
· Fisiologia Vegetal
· Fitopatologia
· Geologia
· Geoprocessamento
· Irrigação - Hidráulica
· Medicina Veterinária
· Nutrição
· Química
· Técnicas de Pesquisa - Estudos
· Zootecnia
 




CURSO DE DIREITO AMBIENTAL - (Beltrão)
R$ 139,85


  LIVROS TÉCNICOS >>> Fitopatologia
 
A FERRUGEM DO CAFEEIRO NO BRASIL E SEU CONTROLE
 
A FERRUGEM DO CAFEEIRO NO BRASIL E SEU CONTROLE     
  
Por: R$ 0,00 
 
 

   
   
   

Clique na imagem para ampliá-la
Descrição
A ferrugem é a doença mais importante do cafeeiro, pois atinge, com gravidade, grandes áreas de lavouras, onde causa prejuízos na produtividade e seu controle exige gastos, a cada ano, aumentando os custos de produção do café.

A ferrugem é considerada uma doença clássica de plantas, por ser uma das primeiras bem estudadas cientificamente e pelo impacto que causou na cafeicultura, antes de se ter disponível a tecnologia de controle. Ela é considerada como uma das sete principais doenças em culturas tropicais.

A doença foi constatada pela primeira vez em 1861, em cafeeiros silvestres, na região do lago Victoria-Nyanza, em Quênia, no continente africano. Já em 1869 citava-se sua gravidade na cafeicultura do Ceilão (atualmente Sry-Lanka), país que, por efeito da ferrugem, deixou de ser produtor de café e passou a cultivar chá.

No Brasil a primeira observação da ferrugem do cafeeiro foi feita em 17 de janeiro de 1970, no município de Aurelino Leal, Sul da Bahia, pelo fitopatologista Arnaldo Medeiros, quando examinava cafeeiros junto a plantações de cacau.

Como a ferrugem chegou ao país é uma pergunta que ficou sem resposta, pois não foi possível identificar seu caminho até aqui, vinda de outro continente, provavelmente o africano, já que nas Américas a primeira verificação da doença ocorreu aqui no Brasil. Suspeitou-se de duas origens da doença: a primeira, sua provável chegada sobre mudas (provavelmente de cacau) trazidas da África. A segunda, através de esporos transportados por correntes aéreas de altas altitudes, que atravessam o oceano, também vindos da África.

1. IMPORTÂNCIA DA FERRUGEM DO CAFEEIRO E SUA CONSTATAÇÃO NO BRASIL – 1

2. MEDIDAS INICIAIS DE CONTROLE: DIAGNÓSTICO, ERRADICAÇÃO, EXCLUSÃO, CONVIVÊNCIA – 1
2.1. Diagnóstico, tentativas de erradicação e exclusão – 1
2.2. Convivência com a ferrugem, pesquisa, assistência técnica e crédito para a nova cafeicultura – 4

3. BIOLOGIA E EPIDEMIOLOGIA DA FERRUGEM E FATORES FAVORÁVEIS À DOENÇA – 7
3.1. Biologia e epidemiologia – 7
a) Tipos de ferrugem e agentes causais – 7
b) O fungo hospedeiro e sintomas da ferrugem – 8
c) Infecção, germinação dos esporos e penetração do fungo – 10
d) Período de latência e incubação – 11
e) Esporulação e disseminação da ferrugem – 12
3.2. Fatores favoráveis à doença – 13
a) Ambiente – 14
b) Hospedeiro – 16
c) Patógeno – 21
3.3. Evolução estacional da ferrugem e interação com o cafeeiro – 23

4. CONTROLE DA FERRUGEM – 25
4.1. Tipos de controle – 25
4.2. Controle químico – 26
4.2.1. Evolução do controle químico no Brasil – 26
4.2.2. Indicação de tecnologias para o controle químico da ferrugem – 36
4.2.2.1. Produtos fungicidas e doses – 36
4.2.2.1.1. Fungicidas à base de cobre – 36
a) Modo de ação e características importantes – 37
b) Tipos de fungicidas cúpricos – 37
c) Doses de fungicidas cúpricos – 38
d) Redistribuição dos fungicidas e efeito de adjuvantes – 40
e) Efeito tônico e efeitos paralelos dos fungicidas cúpricos – 40
4.2.2.1.2. Fungicidas sistêmicos – 42
a) Ação dos fungicidas – 42
b) Tipos (ativos) de triazóis e sistemicidade – 43
c) Modo de uso dos triazóis e dosagem – 45
d) Efeito tônico e residual dos triazóis e sua interação com inseticidas via solo – 47
e) Problemas de absorção dos triazóis via solo e causas de perda de eficiência – 49
4.2.2.1.3. Fungicidas à base de estrubilurinas e outros – 49
a) Estrubilurinas, uso e ação – 49
b) Doses de Estrubilurinas e efeito de adjuvantes – 51
c) Outros fungicidas e indutores – 51
4.2.2.2. Sistemas de controle da ferrugem – 51
4.2.2.3. Épocas, intervalos e nº de aplicações de fungicidas – 53
4.2.2.3.1. Definição do período de controle – 53
4.2.2.3.2. Época e freqüência de controle – 54
4.2.2.3.3. Interação de dose versus intervalo/nº de aplicações – 60
4.2.2.4. Tecnologia de aplicação dos fungicidas – 60
4.2.2.4.1. Modos de aplicação e formulações indicadas – 61
4.2.2.4.2. Volume de aplicação – 62
4.2.2.4.3. Equipamentos – 63
a) Para pulverização – 63
b) Para aplicação via solo – 70
4.2.2.4.4. Controle associado, com fungicidas mais inseticidas e nutrientes – 71
4.2.2.4.5. Uso de adjuvantes na calda fungicida – 74
4.3. Práticas de manejo, auxiliares no controle da ferrugem – 75
4.4. Controle genético – 77
4.4.1. Tipos de resistência – 78
4.4.2. Raças do fungo, virulência e fatores de resistência – 78
4.4.3. Novas raças e quebra de resistência – 79
4.4.4. Evolução dos trabalhos no desenvolvimento de variedades resistentes à ferrugem no Brasil – 81
4.4.5. Características e indicações de variedades resistentes à ferrugem – 83
4.4.5.1. Características das principais cultivares com resistência à ferrugem – 83
4.4.5.2. Prioridades no uso de cultivares resistentes e efeito do controle químico sobre eles – 90

5. AVALIAÇÃO DA DOENÇA, DO SEU CONTROLE E DOS PREJUÍZOS CAUSADOS – 94
5.1. Avaliação da doença – 94
5.2. Avaliação da desfolha – 95
5.3. Avaliação do controle – 96
5.4. Avaliação dos prejuízos com a ferrugem e efeitos do controle – 96

6. LITERATURA CONSULTADA – 98

Autor: Matiello e Almeida
Ano: 2006
Número de Páginas: 106
Tamanho: 16 x 22 cm
Acabamento: Brochura
Prazo de entrega
Prazo de entrega: Sedex de 03 a 05 dias úteis e PAC de 05 a 15 dias úteis
Indique este produto
 
Seu nome:
Seu e-mail:
Nome (para):
E-mail(para):
Comentários:
 
Voltar
vazio

PEDOLOGIA: SOLOS DOS BIOMAS BRASILEIROS
R$ 151,00
APICULTURA: manejo de alta produtividade
R$ 30,00
CEBOLA: do plantio à colheita
R$ 104,00
GUIA DE HERBICIDAS
R$ 90,00

Ver Todas as Novidades
——————————————————————————————

CNPJ: 96.631.353/0001-69 - Email: pldlivros@uol.com.br - Fone/Fax (19) 3421 7436 - Fone: 3423 3961 - Piracicaba/SP

Formas de Pagamento
—————————————————————————————
Política de Privacidade. ©2008, Revendas de Livros Técnicos. Todos os direitos reservados